AMOR PRÓPRIO

Amor próprio, na minha opinião, o sentimento mais importante que alguma vez podemos sentir. O início de tudo. E posso-vos dizer que eu demorei muito tempo a perceber isto, durante muito tempo procurei que as pessoas gostassem de mim e esqueci-me que para isso acontecer eu tinha de gostar de mim primeiro.
Sempre ouvi a minha mãe a dizer-me "tens de ter confiança em ti" e eu achava isso ridículo, entrava-me por um ouvido e saía por outro. Foi até que percebi sozinha. Se eu me aceitasse tal como sou, com os defeitos e as qualidades, as pessoas iam-me aceitar também. Houve uma altura em que me senti mesmo no meu pior, perdi muitos amigos e culpava-me por isso e achava que o mal era meu e foi difícil sair desse "buraco". Mas consegui, aos poucos percebi que a culpa não era de ninguém, foram as circunstâncias da vida e isso eu não podia mudar. Aprendi a aceitar o que a vida me dava e apercebi-me que se havia algo que estaria sempre presente isso seria eu, era importante sentir-me bem comigo própria. 
É um trabalho diário, não estou ainda onde quero estar, é um processo que leva tempo. Comecei pelo interior, a amar a minha personalidade, a perceber o que tinha de bom e como o poderia usar para ser a minha melhor versão, aceitei os meus defeitos. O exterior é talvez o mais difícil, mas aos poucos chego lá. Pode ser cliché mas todos os dias tento agradecer por ter saúde, uma casa, uma família, oportunidades que muitas pessoas não têm, tento não me concentrar naquelas estrias, celulite ou quilos a mais que tanto me incomodam, sei que estão lá mas sei que devo amar o meu corpo tal como é. Se eu não me amar, mais ninguém me vai amar. Há uma frase que eu gosto bastante e na qual penso muito, "nós aceitamos o amor que achamos que merecemos", e se eu me amar tal como sou vou achar que mereço que me amem assim também. Não é por agora estarmos a passar por uma fase pior, que as coisas não vão melhorar, vai haver sempre algo "melhor" que o agora, basta fazermos por isso. Se queremos que algo mude na nossa vida, somos nós que o temos que mudar e devemos fazê-lo por nós e não pelos outros. 
E o amor próprio é talvez o maior e melhor sentimento, é o que nos leva a ser o que queremos ser. Não temos que nos dar com pessoas que não nos fazem sentir bem e é altura de percebermos que não faz mal afastarmos as pessoas, as coisas que nos fazem mal da nossa vida. É a nossa vida e nós temos o poder de escolher como a vivemos. Por isso, escolham viver com amor, mas não se esqueçam o amor parte de nós



With love, Margarida!